Quatro casos de sarampo são confirmados em Manaus, diz Semsa

Dos 32 casos suspeitos de sarampo em Manaus, quatro foram confirmados pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz/RJ), segundo a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa). A informação foi divulgada neste sábado (24). Os casos confirmados integram a primeira leva de amostras enviadas à instituição no início de março. Um caso foi descartado e outros 27 ainda são investigados.

Dos casos confirmados, três são do sexo feminino e um do sexo masculino. A faixa etária varia de quatro meses a 22 anos, sendo que dois casos são em menores de um ano, não tendo, portanto, recebido a vacina tríplice viral – o Ministério da Saúde indica a aplicação desse imunobiológico a partir dos 12 meses, conforme calendário básico de vacinação.

Todos os doentes são residentes na área de abrangência do Distrito de Saúde Norte (DISA Norte) e estão em casa por já estarem fora do período de transmissibilidade do vírus.

O prefeito Arthur Neto fez orientações. “Aqueles que estão dentro da faixa etária de 1 a 49 anos, procurem as Unidades Básicas de Saúde para que seu cartão vacinal seja avaliado e vacinado se necessário”, disse.

Ações contra o sarampo

Desde a confirmação do primeiro caso em Boa Vista, no dia 13 de fevereiro deste ano, a Semsa afirma ter intensificado as ações de prevenção, disponibilizando a vacina nas 183 salas na rede pública de saúde.

Com a notificação dos primeiros casos suspeitos da doença em Manaus, foram iniciadas as ações imediatas de bloqueio e a “varredura” nas áreas onde os pacientes residem.

Na última quinta-feira (22) a Prefeitura anunciou a liberação de crédito adicional de R$ 7 milhões, recurso de superávit da Vigilância Epidemiológica do Sistema Único de Saúde (SUS), para contratar 100 técnicos de enfermagem aprovados em Processo Seletivo em 2017 e ampliar a força de trabalho nas ações de controle da doença.

‘Sala’ de vigilância

Também foi instalada a Sala de Situação de Vigilância em Saúde, composta por representantes das secretarias municipal e estadual de Saúde (Semsa e Susam), Fundação de Vigilância em Saúde (FVS) e Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT).

A medida considerou o cenário de risco local, porque Manaus encontra-se em situação de vulnerabilidade para a reintrodução do vírus, com cobertura vacinal de 76,11% para crianças de um ano.

A “Sala” também vai orientar secretaria e órgãos integrantes da estrutura sobre a elaboração de Plano de Ação, com metas e prazos, monitorando o desenvolvimento das ações de controle e enfrentamento do sarampo em Manaus.

Fonte: G1  Quatro casos de sarampo são confirmados em Manaus, diz Semsa